;

NOTÍCIAS

In:

Manifestantes voltam a protestar contra golpe de estado no Sudão

Os sudaneses voltaram a protestar nesta terça-feira, 26, contra o golpe de Estado que derrubou o governo de transição, apesar da repressão militar que deixou quatro mortos e dezenas de feridos na segunda-feira, ao mesmo tempo que aumenta a condenação internacional. “Voltar ao passado não é uma opção”, gritam os manifestantes em desafio aos militares liderados pelo general Abdel Fattah al Burhan, que anunciou a dissolução do governo de transição e declarou estado de emergência. Muitos líderes civis que estavam no poder foram detidos.

Burhan deve conceder uma entrevista coletiva nesta terça-feira para anunciar os próximos passos do que a comunidade internacional já denuncia como um “golpe de estado militar”.

Os três países (Estados Unidos, Reino Unido e Noruega) que se envolveram em mediações de conflitos sudaneses anteriores afirmaram que “as ações dos militares são uma traição à revolução e transição” iniciada há mais de dois anos.

Para aumentar a pressão sobre os golpistas, o governo dos Estados Unidos anunciou a suspensão de uma ajuda de 700 milhões de dólares destinada à transição, que deveria levar o país do leste da África, um dos mais pobres do mundo, às primeiras eleições livres após três décadas de ditadura de Omar al Bashir.

O Conselho de Segurança da ONU também deve se reunir nesta terça-feira para abordar a questão, enquanto manifestantes e analistas consideram que um retorno ao poder absoluto dos militares é cada vez mias factível.

Até o momento, as missões diplomáticas em Cartum e os pedidos da comunidade internacional não surtiram efeito.

O primeiro-ministro Abdala Hamdok, sua esposa e os demais ministros e integrantes do Conselho Soberano (a autoridade de transição) foram detidos e permanecem em locais não revelados.

Desobediência

Apenas Moscou não seguiu as críticas e atribuiu o golpe a “uma política equivocada e à interferência estrangeira” no país, onde Rússia, Turquia, Estados Unidos e Arábia Saudita disputam a influência atraídos por seus estratégicos portos no Mar Vermelho.

Os ativistas pró-democracia anunciaram uma “greve geral” e “desobediência civil” contra o golpe do general Burhan, que prometeu formar um governo “competente” em breve e seguir com a transição para eleições livres.

Com várias bandeiras do país, milhares de sudaneses tomaram as ruas de Cartum para entender o que acontecia, pois a capital estavam sem internet e serviço de telefonia. Para os manifestantes, a missão é “salvar” a revolução que derrubou Bashir em 2019, após uma repressão que matou 200 pessoas.

Na segunda-feira, ao menos quatro manifestantes morreram por tiros disparados pelas Forças Armadas e mais de 80 ficaram feridos, informou um sindicato de médicos. “O povo escolheu um Estado civil e não um poder militar”, afirmaram vários sudaneses em Cartum, onde barricadas com pneus incendiados e pedras bloqueavam as ruas perto do quartel-general do exército.

‘Ditadura como opção’

Em abril de 2019, militares e civis chegaram a um acordo para expulsar Bashir do poder e formar o Conselho Soberano, composto pelo mesmo número de integrantes dos dois lados para organizar as primeiras eleições livres no fim de 2023.

O golpe freia a transição e expõe a crescente divisão entre os que desejavam um governo exclusivamente civil e os que defendiam um Executivo de generais para retirar o Sudão do marasmo político e econômico.

Jonas Horner, pesquisador no International Crisis Group, considera este “um momento existencial para os dois lados, civil e militar”. “Este tipo de intervenção reintroduz a ditadura como opção”, disse.

Por temer o pior, o gabinete do primeiro-ministro Hamdok advertiu os militares que eles têm “toda a responsabilidade sobre sua vida ou morte”. O país já havia sido cenário de uma tentativa de golpe em setembro.

Michelle Bachelet, alta comissária da ONU para os Direitos Humanos, expressou o temor de um “desastre” caso o Sudão retroceda, enquanto o secretário-geral das Nações Unidas, Antonio Guterres, exigiu respeito à “carta constitucional”.

O texto, assinado por todos os líderes anti-Bashir em 2019, prevê eleições no fim de 2023 e uma transição civil, com a qual o general Burhan afirmou que continuará comprometido depois de nomear um novo governo e um novo Conselho Soberano.

Diante das críticas, o general Burhan disse que o governo respeitará os acordos internacionais assinados pelo Sudão, um dos quatro países árabes que normalizou recentemente as relações com Israel. (Com agências internacionais).

Autor: Redação
Copyright © 2021 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Compartilhe:

Comente no Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *