;

NOTÍCIAS

In:

Campanha histórica do Brasil em Tóquio será destaque do Prêmio Brasil Olímpico

Em um local inédito e de forma presencial, o Comitê Olímpico do Brasil (COB) fará neste ano a sua premiação aos melhores da temporada com uma grande homenagem aos destaques dos Jogos de Tóquio-2020. O Prêmio Brasil Olímpico terá um espaço especial para a histórica campanha do Time Brasil na capital do Japão, já que todos os atletas medalhistas serão convidados a subir ao palco para a recepção de troféus especiais.

A cerimônia será realizada pela primeira vez no Nordeste. Acontecerá no dia 7 de dezembro no Teatro Tobias Barreto, em Aracaju, capital de Sergipe. A região é o berço dos medalhistas olímpicos Ítalo Ferreira (Rio Grande do Norte), Ana Marcela Cunha (Bahia), Hebert Conceição (Bahia), Isaquias Queiroz (Bahia) e Rayssa Leal (Maranhão), dentre outros.

“O Nordeste foi protagonista nos Jogos Olímpicos de Tóquio, tendo conquistado quatro das sete medalhas de ouro. Focamos em levar as ações do COB para diferentes cidades para mostrar que todas as regiões do Brasil estão preparadas para realizar grandes eventos ligados ao esporte e que o Comitê Olímpico enxerga isso claramente”, disse Paulo Wanderley, presidente da entidade, lembrando que o II Congresso Olímpico será realizado em Salvador, nos dias 19 e 20 de março de 2022.

“Encerramos o ciclo olímpico conforme havíamos planejado. Fomos todos – atletas, comissões técnicas e profissionais do COB – muito competentes para conseguir um resultado excelente no Japão. Seguimos empenhados em trabalhar com ainda mais vontade e determinação tendo como meta em Paris superar a campanha histórica que alcançamos em Tóquio. Até lá teremos várias competições preparatórias, como os Jogos Pan-Americanos Júnior de Cali-2021, os Jogos Sul-Americanos de Assunção-2022 e os Jogos Pan-Americanos de Santiago-2023”, analisou Paulo Wanderley.

Na última segunda-feira começou o processo para a escolha dos indicados a “Melhor Atleta do Ano”, principal categoria do Prêmio Brasil Olímpico, e também dos melhores do ano em cada uma das modalidades. A escolha é realizada por um por um colégio eleitoral formado por jornalistas, dirigentes, Comissão de Atletas do COB, patrocinadores, ex-atletas e personalidades do esporte.

O Prêmio Brasil Olímpico terá outras premiações. A já tradicional eleição de “Atleta da Torcida”, por exemplo, está mantida. Serão indicados 10 nomes para a escolha através de votação popular. Também haverá homenagem ao “Melhor Técnico” e a entrega do Troféu Adhemar Ferreira da Silva, destinado a personalidades do esporte que representem os valores que marcaram a vida e a carreira do saltador como ética, espírito coletivo, eficiência técnica e física, respeito ao próximo e companheirismo.

As novidades ficam por conta da criação de outras duas premiações: o Troféu TIM Transforma, para projetos que transmitam os Valores Olímpicos, e o Troféu Inspire, uma homenagem da Riachuelo à mulheres de destaque no Movimento Olímpico do Brasil.

Em sua 22.ª edição, o Prêmio Brasil Olímpico dará espaço também ao passado e ao futuro do esporte olímpico do Brasil. A participação do país na primeira edição dos Jogos Pan-Americanos Júnior, na Colômbia, será lembrada com uma premiação aos medalhistas da competição voltada exclusivamente para atletas com 23 anos ou menos.

E, claro, haverá uma homenagem aos 14 indicados ao Hall da Fama em 2020 e 2021: os atletas Adhemar Ferreira da Silva (atletismo); Aída dos Santos (atletismo); Aurélio Miguel (judô); Bernard Rajzman (vôlei); Reinaldo Conrad (vela); Sebastián Cuattrin (canoagem velocidade); Tetsuo Okamoto (natação); Wlamir Marques (basquete); Gustavo Borges (natação); Hélia Pinto “Fofão” (vôlei); Rogério Sampaio (judô); Servílio de Oliveira (boxe); e os treinadores Nelson Pessoa (hipismo saltos); Mário Jorge Lobo Zagallo (futebol).

Idealizado em 2018, o Hall da Fama do COB pretende eternizar os atletas e treinadores que ajudaram a construir a história olímpica do país, promovendo o Olimpismo e inspirando novas gerações. Os homenageados que ainda não tiveram seus pés ou mãos gravados em cerimônia própria deverão ser eternizados no Prêmio Brasil Olímpico.

Copyright © 2021 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Compartilhe:

Comente no Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *