;

NOTÍCIAS

In:

Apenas 28% das pessoas no Brasil estão satisfeitas com infraestrutura do país, mostra Ipsos

Por Assessoria

Menos de três em cada dez habitantes do Brasil estão satisfeitos com a infraestrutura nacional. É o que mostra a pesquisa Global Infrastructure Index, realizada anualmente pela Ipsos com entrevistados de 27 países – sendo mil brasileiros. Enquanto 28% expressaram muita ou razoável satisfação, 23% declararam-se indiferentes e 48% disseram estar razoavelmente ou muito insatisfeitos. Por infraestrutura, entendeu-se, no estudo, coisas nas quais as pessoas confiam, como redes rodoviárias, ferroviárias e aéreas, utilidades como energia e água, banda larga e outras comunicações.

Os chineses foram os respondentes que demonstraram maior contentamento com a infraestrutura de sua nação (90%). Em segundo lugar no ranking ficou a Arábia Saudita (80%) e, em terceiro, a Holanda (77%). Por outro lado, Itália (17%), Peru (18%) e Hungria (21%) são os menos satisfeitos. A média global, levando em conta os 27 países avaliados, ficou em 43%. Em 2019, era de 37%.

Para os brasileiros, os problemas infraestruturais decorrem de uma falha na administração da nação. 75% dos respondentes concordaram com a frase: Como país, não fazemos o bastante para suprir nossas necessidades de infraestrutura. Apenas Peru e África do Sul, ambos com 80%, expressaram maior desagrado do que o Brasil nesta questão.

Estabelecendo prioridades

O estudo apresentou 14 tipos de infraestrutura e pediu que os participantes selecionassem quais achavam que deveria ser prioridade de investimento em seu país. Segundo 64% dos entrevistados brasileiros, o foco principal dos investimentos locais deveria ser o “abastecimento de água e saneamento”. “Nova oferta de moradias” ficou na segunda posição, citada por 52%. Em terceiro, com 51%, está “soluções contra enchentes”. Fecham o top 5 “infraestrutura para energia solar” (43%) e “rodovias/malha rodoviária” e “infraestrutura ferroviária – trens/estações” (empatadas com 41%).

Onde quer que sejam alocados os recursos, 81% dos respondentes no Brasil esperam que o governo faça do investimento em infraestrutura uma prioridade ao planejar a recuperação pós Covid-19, 85% concordam que o investimento em infraestrutura é vital para o crescimento econômico futuro do país e 84% acham que investir neste segmento vai auxiliar na criação de novos empregos.

De onde vem o dinheiro?

Obras de infraestrutura custam caro e, muitas vezes, as nações não possuem recursos econômicos suficientes para bancar os investimentos no setor. No caso do Brasil, os respondentes – na maioria – não veem problema em receber auxílio externo para financiar tais gastos. 71% dos brasileiros disseram concordar com investimento estrangeiro em infraestruturas no país se isso significar uma melhoria na qualidade. A média global é de 52%.

Além disso, 73% estão de acordo com o investimento de empresas do setor privado em infraestrutura se isso significar que o Brasil terá aquilo de que precisa. Considerando a média dos 27 países, são 68%.

A pesquisa on-line foi realizada com 19.516 participantes de 27 países entre os dias 24 de julho de 07 de agosto de 2020. Foram entrevistados 1.000 brasileiros. A margem de erro é de 3,5 pontos percentuais.

Sobre a Ipsos

A Ipsos é uma empresa de pesquisa de mercado independente, presente em 90 mercados. A companhia, que tem globalmente mais de 5.000 clientes e 18.130 colaboradores, entrega dados e análises sobre pessoas, mercados, marcas e sociedades para facilitar a tomada de decisão das empresas e das organizações. Maior empresa de pesquisa eleitoral do mundo, a Ipsos atua ainda nas áreas de marketing, comunicação, mídia, customer experience, engajamento de colaboradores e opinião pública. Os pesquisadores da Ipsos avaliam o potencial do mercado e interpretam as tendências. Desenvolvem e constroem marcas, ajudam os clientes a construírem relacionamento de longo prazo com seus parceiros, testam publicidade e medem a opinião pública ao redor do mundo. Para mais informações, acesse: www.ipsos.com/pt-br

Compartilhe:

Comente no Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *